Baú de Velharias

Sempre uma porcaria ou novidade

E-Book Grátis Mentalidade Para o Sucesso
Ganhe dinheiro apenas subindo videos no Youtube

Arquivos da Categoria 'Kids'

=> Indique este post para um amigo seu ! <=

Desenho animado antigo – Bibo Pai e Bobi Filho

Augie Doggie and Doggie Daddy (no Brasil: Bibo Pai e Bóbi Filho) são personagens de desenho animado do universo Hanna-Barbera, fizeram sua estréia no dia 29 de setembro de 1959, como coadjuvantes no show The Quick Draw McGraw Show, do Pepe Legal. Os roteiros foram escrito por Michael Maltese, que também fazia a série animada do Coyote e outros desenhos da Warner Bros.

O desenho gira em torno das desventuras de uma duplas de cães, pai e filho. Bibo Pai gosta de impressionar o filho, tentava educar seu filho Bóbi da melhor maneira possível, dando-lhe bons conselhos. Bóbi Filho, que ama incondicionalmente o pai, sempre se refere a ele como “Ó meu querido pai!”. A mútua admiração de pai e filho é o tema principal do desenho.

Bibo pai e Bóbi filho foi criado pelo famoso animador Al Bertino, mais conhecido por seu trabalho nos estúdios Disney.

O desenho animado de Bibo Pai e Bóbi Filho utilizavam a mesma situação básica de Spike & Tyke (William Hanna e Joseph Barbera produziu durante a sua carreira de animação na MGM nos anos 1940 e 1950), um pai canino muito competente, educando seu filho precoce.

Bibo paiUm pai com palávras sábias. Bibo pai sempre julga saber o que é melhor para os dois e que, muitas vezes, acaba incomodando Bob. Apesar de seu rigor, tem uma personalidade afetiva e no final sempre concorda com seu filho.

Bob filhoUm filhote de alto astral, motivado pelo desejo de sempre deixar seu pai orgulhoso. Possui conhecimento em ciências e a habilidade de conversar com animais, Bob geralmente obtem sucesso nas tentativas em vão de seu pai.

fontes: Google, Wikipedia e Youtube






postado por editor em Kids,Nostalgia,Passatempo e possui Nenhum Comentário
=> Indique este post para um amigo seu ! <=

Desenhos Antigos – O Gato Felix – Muito bom lembrar !

Felix the Cat (em português conhecido como Gato Félix) é um personagem de desenho animado, criado na época dos filmes mudos. Seu corpo preto, olhos brancos e sua risada característica, combinados com o surrealismo das situações criadas nos desenhos, fazem do personagem um dos mais conhecidos do mundo. Foi o primeiro personagem de desenho animado popular ao ponto de, por si só, atrair o público.

Gato Félix – A garrafa Mágica

A História segundo a wikipedia:

A criação do personagem tem sido atribuída ao cartunista estado-unidense Otto Messmer embora o produtor cinematográfico e também cartunista australiano Pat Sullivan, que detinha os direitos autorais sobre o desenho, se dissesse o criador do gato. Os historiadores acreditam que Messmer tenha sido o ghost-writer de Sullivan. O certo é que Félix saiu dos estúdios Sullivan, alcançando sucesso sem precedentes nos anos 1920.

O sucesso de Félix entrou em declínio no final da década de 1920, com a chegada dos desenhos animados sonoros, particularmente os do Mickey Mouse, de Walt Disney. Na época, Sullivan e Messmer não quiseram aderir à produção sonora e Félix ficou ultrapassado. Em 1929, Sullivan decidiu finalmente fazer a transição e começou a distribuir desenhos animados sonoros de Félix. A iniciativa fracassou, sendo suspensa no ano seguinte. Sullivan faleceu em 1933.

O Gato Félix – De Cabeça Para Baixo

Félix ainda teve uma breve ressurreição em 1936, com desenhos animados sonoros e em cores, mas Félix estava proibido de aparecer nos cinemas dos Estados Unidos e depois, quase desapareceu, mas foi salvo pela televisão, muito tempo depois.

Os desenhos animados de Félix começaram a ser exibidos pela TV dos EUA, em 1953. Joe Oriolo (Criador do Gasparzinho), que dirigia as tiras de quadrinhos de Felix, redesenhou o gato, dando-lhe pernas mais compridas, para uma nova série de desenhos destinados à televisão. Oriolo também acrescentou novos personagens e deu a Felix uma nova bolsa mágica de truques, que podia assumir uma infinita variedade de formas, obedecendo às ordens de Félix.

Atualmente, o personagem continua aparecendo em uma variedade de produtos – desde roupas até brinquedos. Recentemente foi produzida a série The Twisted Tales of Felix the Cat, em que o gato é mostrado com um traço mais antigo, em uma ambientação fantástica, com objetos falantes e que tais, além de algumas piadas de duplo sentido, voltadas a um público mais adulto.
O Gato Félix – Oferta De Amizade

O Gato Félix – O Monte Bombom

O Gato Félix – Na Cidade Fantasma

fontes: Google, Wikipedia e Youtube






postado por editor em Kids,Nostalgia,Televisão e possui Nenhum Comentário
=> Indique este post para um amigo seu ! <=

Tartaruga Touchê – Quem não se lembra desse desenho antigo ? Eu simplesmente adorava !

Touché Turtle and Dum Dum (conhecido no Brasil por Tartaruga Touché e Dum Dum) é um dos segmentos do programa infantil The New Hanna-Barbera Cartoon Series, série de desenhos animados lançada pela Hanna-Barbera em 1962.

Abertura Tartaruga Touchê

Além das aventuras de Touché, o programa contava ainda com as séries do Wally Gator (Crocodilo Wally) e Lippy the Lion & Hardy Har Har (Lippy e Hardy).

A dinâmica Tartaruga Touché e o cão felpudo Dum Dum eram um par de heróis que batalhavam contra vilões em todo tipo de aventuras, salvando reis, rainhas, donzelas, crianças e outros. Touché era o bravo e destemido líder, sempre com um chapelão ornamentado com uma pena e uma espada na mão. Dum Dum era seu companheiro e seguia fielmente Touché em suas aventuras.

A entrada favorita de Touché era segurando uma corda e se arremessando contra os vilões empunhando a espada na outra mão, bradando a frase “Viva Touché!” (versão da dublagem original para a expressão em inglês “Touché and away!”). Na abertura do desenho, Touche esgrimia contra um relâmpago e apagava as chamas de um dragão com uma mangueira.

Dum Dum, no Brasil, era dublado pelo ator Lima Duarte.

Episódios

Primeira temporada (1962-1963)

1 “Whale of a Tale”
2 “Zero Hero”
3 “Dilly of a Lilly”
4 “Missing Missile”
5 “Lake Serpent”
6 “You Bug Me”
7 “Roll-A-Ghoster”
8 “Giand Double-Header”
9 “Loser Take All”
10 “Takes Two to Tangle”
11 “Mr. Robots”
12 “Touché at Bat”
13 “Billy the Cad”
14 “Dog daze”
15 “Ant and Rave”
16 “Black is the Knight”
17 “Dragon Along”
18 “Satellite Fright”
19 “Sheepy-Time Pal”
20 “Hex Marks the Spot”
21 “Catch as Cat Can”
22 “Sea For Two”
23 “High Goon”
24 “Grandma Outlaw”
25 “Duel Control”
26 “Rapid Rabbit”

Segunda temporada (1963-1964)

1 “Thumb Hero”
2 “Kat-Napped”
3 “Romeo, Touché and Juliet”
4 “The Big Bite”
5 “Flying Source Saucerer”
6 “Aladdin´s Lampoon”
7 “Haunting License”
8 “The Phoney Phantom”
9 “Touché´s Last Stand”
10 “Chief Beef”
11 “Like Wild, Man”
12 “Dum De Dum Dum”
13 “Et Tu, Touché”
14 “Dragon Feat”
15 “Red Ridding Hoodlum”
16 “Dough Nuts”
17 “Save the Last Trance for me”
18 “Waterloo for Two”
19 “Robin Hoodlum”
20 “The Shoe Must go on”
21 “Quack Hero”
22 “Aliblabber and The Forty Thieves”
23 “Out of This Whirl”
24 “Hero on the Half Shell”
25 “Tenderfoot Turtle”
26 “Peace and Riot”






postado por editor em Kids,Nostalgia,Televisão,Videos e possui Nenhum Comentário
=> Indique este post para um amigo seu ! <=

Você lembra do relógio Cuco ? Sabia que tem uma história e uma lenda muito legal para ser contada para seus filhos e netos ?

Curiosidades

Os primeiros relógios alemães foram desenvolvidos em meados do século XVII, precisamente no ano de 1640, são originários de uma região montanhosa chamada Floresta Negra, no Sudoeste da Alemanha.

Naquela época, moradores dessa região fabricavam os produtos artesanalmente dentro de suas casas, em virtude do rigoroso inverno que não permitia praticar outra atividade comercial. No curto período de verão, eles deixavam suas casas e iam vender suas artes em toda Europa, Ásia e América.

No ano de 1750, um artesão local, Franz Anton Ketterer, adaptou dois foles, utensílio destinado a produzir vento, ao relógio, para produzir duas notas musicais, originava-se então o famoso som do cuco.

Aspectos da tradição local são retratados nos relógios, como caças, animais típicos, lides domésticas (serrador, lenhador, ordenha, etc.) e o próprio pássaro cuco.

Estes relógios, ainda hoje são esculturados artesanalmente em madeira (principalmente carvalho). Em suas máquinas, a mesma tecnologia empregada no século XVII, com mecanismos totalmente em bronze (não enferruja) e funcionamento através de pesos. Além do som do cuco, muito deles possuem músicas e movimentos, fazendo com que esta arte torne-se ainda mais encantadora.

Muitas pessoas relatam histórias de relógios cucos que atravessaram gerações, pertencentes a seus avós ou bisavós, tendo a mesma precisão e funcionamento ao longo dos anos.

Estes relógios têm a difícil missão de resgatar conceitos antigamente muito valorizados, como o trabalho artesanal, a relação com a natureza, a união familiar, e principalmente, conservar esta tradição e cultura em meio ao desenvolvimento tecnológico sobrenatural em que vivemos.

A Lenda do Relógio Cuco para voce contar para seus filhos e netos

A casa não era tão grande assim, mas para nós era um palácio!
Que alegria arrumar nossas coisas e saber que agora teríamos um quintal nosso e até um cachorro.
Enfim o clima era de muita alegria.
O dia foi muito cansativo e mais cedo do que do costume, fomos dormir.
Meus pais e minha avó ainda ficaram nos afazeres.
Deite-me e em seguida já estava dormindo.
Porém no meio da noite, acordei com o canto!
Mas que canto é este?
Prestei atenção, mas nunca ouvira algo igual.
De mansinho pé ante pé fui descendo a escada para ver o que era.
Sentia medo, porém a curiosidade era tanta!
O canto havia parado.
Seria algum bicho escondido na sala?
Foi quando de repente a luz se acendeu…
-Menino o que estas fazendo aqui há esta hora?
-Era minha avó que dizia,
-Ora vovó ouvi um canto estranho.
Foi quando novamente começou.
Chegou forte aos meus ouvidos;
-Cuco…Cuco…
-Ora menino é o Relógio do Cuco!
-Venha cá senta aqui um pouquinho que te conto a historia toda.
-Havia um pássaro muito alegre nas matas, cantava muito forte e era amigo de todos os outros.
Protegia os filhotes mesmo não sendo dele.
Quando presentia um perigo logo cantava bem alto mesmo;
Cuco Cuco
Todos ficavam alerta.
A bruxa que morava na mata também, andava muito brava com ele, pois com seu aviso, todo o bicho que caçava para suas bruxarias, escapava!
Que fez a malvada?
Aprontou uma arapuca e caçou o pobre Cuco!
Levou para casa e enfiou-o dentro de uma casinha que tinha na parede.
Todos procuram por dias e não acharam mais o pobre pássaro.
Mas percebendo que não conseguiria sair mais de lá, o Cuco teve uma idéia.
Mesmo preso iria ajudar a todos.
Assim que a bruxa saia para suas maldades, ele abria a portinha da casinha e saia e cantava muito alto Cuco Cuco.
Era tão alto que todos ouviam e se preveniam.
Foi assim que apareceram depois vários Relógios Cucos.
Aguarde mais um pouquinho que você vai o ver cantar já.
E assim ouvi pela primeira vez o Relógio Cuco tocar na sala de minha casa.
Aprendi com paciência a escutá-lo marcando as horas.
Um canto para cada hora bem alto e mais fraco para a meia hora e apenas um sinal de canto para os quinze minutos.
Aprender a ler as horas é fácil, Apenas preste muita atenção.
Existem vários tipos de Relógios hoje, comece pelo mais fácil, Um Cuco, por exemplo, ou simplesmente um Relógio só com os números e siga os ponteiros.
Só sei que a Lenda da vovó serviu para me ensinar, espero que você também aproveite e aprenda rapidinho.
Cuco Cuco
Anunciando que esta na minha horinha!
Abraço.

Mbc.
Marlene Cerviglieri
Publicado no Recanto das Letras em http://recantodasletras.uol.com.br/infantil/1012251 30/05/2008

Outras fontes: Google , http://www.relogiosdiferentes.com.br






postado por editor em Curiosidades,Diversos,Kids e possui Nenhum Comentário
=> Indique este post para um amigo seu ! <=

O Desenho – A Pantera Cor-de-Rosa -1963

A Pantera Cor-de-Rosa (en: The Pink Panther) é uma co-produção estadunidense e britânica de 1963, do gênero comédia, dirigida por Blake Edwards.

Sinopse

Relata as aventuras do atrapalhado inspetor Jacques Clouseau (Peter Sellers) e suas tentativas de descobrir quem é o famoso ladrão que se intitula O Fantasma, e que poderia estar planejando roubar o famoso diamante pantera cor-de-rosa, de propriedade da princesa Dala.

Closeau está há muito tempo na pista certa, mas não consegue descobrir a verdadeira identidade do gatuno, sendo sempre atrapalhado por sua esposa Simone, que secretamente é amante e cúmplice do Fantasma.

Pantera cor de Rosa – O Mosquito

O Desenho

Em 1964 foi criada uma série de filmes para o cinema estrela por Peter Sellers, que não tinha muito haver com a personagem da Pantera Cor-de-Rosa que conhecemos dos desenhos animados. O primeiro filme da série, A Pantera Cor-de-Rosa, narra as aventuras do atrapalhado Inspetor Closeau correndo em busca do diamante que dá nome ao filme. Ele continua seguindo a jóia “pantera cor-de-rosa” por mais algumas seqüências como: A Volta da Pantera Cor-de-Rosa (1975), A Nova Transa da Pantera Cor-de-Rosa (1976), A Vingança da Pantera Cor-de-Rosa (1978) e os embaraçantes A Trilha da Pantera Cor-de-Rosa (1982) e A Maldição da Pantera Cor-de-Rosa (1983), já sem Sellers no papel principal.

a pantera cor de rosa – guerra de vizinhos

Elenco principal

David Niven …. Sir Charles Lytton
Peter Sellers …. Inspetor Jacques Clouseau
Robert Wagner …. George Lytton
Capucine …. Simone Clouseau
Claudia Cardinale …. princesa Dala
Brenda De Banzie …. Angela Dunning
Colin Gordon …. Tucker
John Le Mesurier …. Barrister
James Lanphier …. Saloud
Guy Thomajan …. Artoff

A Pantera Cor de Rosa – O carro Da Pantera

A História

Lançada em 1969, The Pink Panther Show, mostra a divertida e carismática Pantera Cor-de-Rosa, com aquele seu andar elegante e sem dar uma só palavra sequer, fugindo do Inspetor Closeau. O baixinho inspetor (ilustrado como uma caricatura de Sellers) se utiliza das mais diversas técnicas para correr atrás da magérrima pantera, mas ela sempre consegue escapar com muita inteligência.

No fim dos anos 70, o desenho animado da pantera já tinha transformado a personagem felina, o Inspetor Clouseau e a música-tema, composta por Henry Mancini, em um fenômeno de massa mundial. Com cenários e traços dos personagens extremamente simples e cenas muito engraçadas, o desenho chegou a ganhar um Oscar da Academia de Hollywood.

A Pantera tornou-se então a mais famosa criação da dupla Friz Freleng e David DePatie que depois lançaram outros personagens célebres, como o Inspetor (também tirado do filme de Blake Edwards), A Formiga e o Tamanduá, Toro e Pancho, a Cobrinha Azul e outros.

Curiosidades

O papel de Inspetor Clouseau foi originalmente oferecido ao ator Peter Ustinov, que o recusou.
Como Cláudia Cardinale não falava inglês, suas falas foram inteiramente dubladas.
Para emagrecer o suficiente para interpretar o Inspetor Clouseau, Peter Seller tomou pílulas de dieta durante quase um ano.
Apesar da pantera cor-de-rosa do título se referir à uma jóia, nos créditos de abertura do filme há um desenho animado protagonizado pelo personagem Pantera Cor-de-Rosa, e essa introdução tornou-se padrão nos demais filmes baseados no Inspetor Clouseau.

fontes: wikipedia, http://www.infantv.com.br e youtube






postado por editor em Kids,Nostalgia,Passatempo,Televisão,Videos e possui Nenhum Comentário
=> Indique este post para um amigo seu ! <=

Mister Magoo – Ohh sim sim eu lhe digo !

Sr. Magoo é um desenho animado criado pela United Productions of America. O personagem principal Sr. Quincy Magoo é um velhinho baixo, careca e com grave deficiência visual que se envolve em situações cômicas e perigosas devido à sua pouca visão.

A primeira exibição deste desenho foi em 1949, com o episódio The Ragtime Bear.

Sr. Magoo recebeu dois Oscars: When Magoo Flew (1953) e Mr. Magoo’s Puddle Jumper (1955).

Em 1997 Sr. Magoo foi interpretado por Leslie Nielsen no cinema.

Personagens

Sr. Quincy Magoo
Charley
Waldo
Prezley
Mother Magoo
Bowser (gato)
Wheeler & Dealer
Caesar (cachorro)
Hamlet (Hamster)

A empresa UPA revolucionou a animação nos Estados Unidos no final da década de 1940, quando abriu mão do estilo fofinho que a Disney tornou popular e usou um design mais moderno influenciando todos os estúdios – inclusive a Disney, que acabou modernizando seu traço. Foi nessa época que a empresa produziu dezenas de curtas distribuídos pela Columbia Pictures nos cinemas.

Em 1949 a produtora lançou o curta Ragtime Bear, onde mostrava as dificuldades enfrentadas por um velhinho para encontrar seu sobrinho Waldo no Parque Florestal. Mas ao encontrar um grande Urso, ele confunde o bicho com seu sobrinho que estava usando um casaco de pele. O curta que tinha a intenção de lançar o personagem Waldo, acabou destacando o velhinho, que havia sido criado com boa parte de sua personalidade baseada no comediante W.C. Fields.

A UPA resolveu investir no personagem e outros curtas, agora tendo Mr. Magoo como protagonista, vieram em seguida. Dois de seus desenhos foram indicados ao Oscar de Melhor Desenho em Curta-Metragem e dois foram vencedores: Trubled Indemnity e Grizzly Golfer. Em cada uma das suas histórias Magoo assumia uma identidade diferente, parodiando clássicos do cinema e astros de Hollywood.

Um longa-metragem do personagem surgiu em 1959, com um projeto inicial de filmar a versão “Magoo” de Don Quixote e pasmem, o escritor Aldous Huxley já tinha feito até um pré-roteiro. Mas os financiadores nunca tinham ouvido falar em Don Quixote, e o projeto mudou para uma versão das 1001 Noites, só assim saiu o financiamento para “The 1001 Arabian Nights”, que foi exibido no Natal de 1959. O longa foi um fracasso que acabou culminando com a falência da UPA, vendida para a Henry Saperstein. A carreira de Magoo acabou se transformando num vexame, já que as histórias produzidas à partir de então eram fracas e até a característica principal de Magoo de não enxergar direito, deixou de existir.

Em 1960, os desenhos de curta-metragem de Mr. Magoo foram exibidos em syndication na televisão. O sucesso alcançado fez a UPA investir num especial onde Magoo encontra outro famoso personagem, o menino McBoing Boing. A grande audiência inspirou a criação de uma série animada chamada As Famosas Aventuras de Mr. Magoo, entre 1964 e 1965.

Mr. Magoo é um velho rabugento, mas que é adorado por todos! Extremamente míope, ele se mete nas maiores confusões por não enxergar direito e quem ganha com isso é a gente, que se diverte a valer. Cada vez que Magoo sai de casa, você tem a certeza de que vai dar boas gargalhadas, pois, sem enxergar um palmo à frente do nariz, ele sempre confunde tudo o que está em seu caminho. Magoo causa dores de cabeça e distribui pancadas a todos que o acompanham. Apesar dele ser quase cego, as pessoas que estão por perto é que se machucam, caindo em bueiros, batendo em postes, e dando com a cara em portas para garantir a integridade física do bom e amado velhinho, enquanto ele com uma sorte impressionante não sofre um só arranhão.

Tio do garoto Waldo, Magoo vivia ao lado de seu inseparável cão McBarker. Munido com seu chapéu azul e bengala, o baixinho sempre costumava dar as maiores broncas no atento cãozinho de guarda.

fontes: wikipedia e http://www.infantv.com.br e youtube






postado por editor em Diversos,Kids,Nostalgia,Televisão e possui Nenhum Comentário
=> Indique este post para um amigo seu ! <=

Voce lembra do Pepe Legal – El caboing !

Quick Draw McGraw (conhecido como Pepe Legal no Brasil) foi criado e produzido pela Hanna-Barbera, contando as aventuras de um cavalo antropomorfo, (animal com características humanas), que era apresentado dentro de uma série animada que tinha seu próprio nome The Quick Draw McGraw Show (Pepe Legal Show). O programa era acompanhado de mais dois desenhos, Augie Doggie and Doggie Daddy (br: Bibo Pai e Bob Filho) e Snooper and Blabber (br: Olho-Vivo e Faro-Fino), cada episódio em torno de seis minutos.

Na abertura do desenho vem ele, Pepe Legal numa carroça puxada por outros cavalos, passando por desfiladeiros, pontes, riachos. As rodas se adaptam às curvas do caminho, aumentando e diminuindo a largura do eixo ou crescendo e diminuindo para se adaptar às depressões do terreno. Uma máquina fantástica. No final, ao puxar o freio, eis que o mesmo não funciona e nosso herói se vê afundando enquanto freia com o pé, até ficar completamente coberto pelo solo.

El Kabong Vs. El Kabong

História

Pepe Legal era um cavalo oficial do Novo México que lembrava muito os velhos filmes de cowboys no Velho Oeste Americano. Ele não era lá muito inteligente e totalmente inapto para exercer o cargo de xerife. Quando conseguia sacar sua arma, geralmente acabava atirando nele mesmo. Sua sorte era ter ao seu lado como ajudante o burro chamado Babalu, que falava com um sotaque bem acentuado de mexicano que apesar de ser um burro, Babalu demonstrava ser muito inteligente. Uma de suas frases prediletas dizia “Pepe Legal es inteligente, o que lhe falta el pensamento…”, justificando as confusões que Pepe Legal sempre se metia. Era ele que no final das contas acaba praticamente resolvendo todo o problema e acabava prendendo os bandidos, apesar de toda a gloria ir para Pepe Legal.

Pepe Legal também tinha um cachorro chamado Rafeiro, que fazia qualquer coisa para o seu dono, desde que que recebesse um delicioso “biscoito de cão”, que Pepe presenteava quase sempre. E, quando isso acontecia, o cachorro começava se contorcer todo, cheio de felicidade, fechava os olhos e começar a flutuar, para depois descer suavemente ao som de uma música celestial.

Outra coisa muito curiosa deste personagem era o fato dele ser um cavalo, mas andava somente com as patas traseiras e as patas dianteiras funcionavam como se fosse a mão, como um ser humano, assim era também com o Babalu. Muitas vezes Pepe Legal aparecia montado num cavalo de verdade, ou era visto abrindo os créditos do espetáculo dirigindo uma diligência puxada por um time inteiro de cavalos realísticos.

Em alguns episódios da série, Pepe Legal também assumia a identidade secreta do vigilante mascarado conhecido como “El Kabong”, que era evidentemente uma paródia ao mascarado Zorro. Ele geralmente vinha voando numa espécie de “cipó ou corda”, semelhante ao Tarzan, apesar de ninguém saber onde essa “corda” era amarrada. El Kabong atacava os seus inimigos, não com uma espada, mas sim com seu violão e dando o seu grito de guerra onomatopaico “KABOOOOOONG!” ou às vezes “OLAYYYEEEEEE!” e sempre lançando seu violão chamado de “Kabonger” sobre a cabeça de seus inimigos.

Depois que o programa The Quick Draw Show foi encerrado, Pepe Legal ainda continuou a aparecer em outras produções da Hanna-Barbera, como “A Turma do Zé Colméia”, “Yo Yogi!”, “Os Ho-ho-límpicos”, “Casper’s First Christmas” e também em “Samurai Jack” e em “A Corrida Espacial do Zé Colméia”. Pepe Legal apareceu em “Harvey Birdman, Attornye at Law” onde ele ia preso por fazer sátiras políticas sobre armas norte-americanas com seu violão. Mais recentemente ele fez participação como convidado especial num dos episódios de “Johnny Bravo”. Este espetáculo foi apresentado em todo o mundo e no Brasil passou a ser exibido e reprisado por diversas vezes, na diversas emissoras brasileiras, desde a década de 60, alcançando um grande êxito

Personagens

Babalu: é o parceiro de Pepe Legal, um burrinho mexicano, ajudante do xerife. Seu sotaque de gringo é um charme.
Rafeiro: o cão de Pepe Legal, o fiel amigo do homem, fará qualquer coisa para ajudar seu dono desde que receba alguns biscoitos caninos. Ao recebê-los, ele se contorce todo, cheio de felicidade. Fecha os olhos e começa a flutuar. Depois desce suavemente acompanhado por um som celestial(esta mesma gag foi empregada na série “Esquadrilha Abutre” ou “Máquinas Voadoras” {1969}, no momento em que o Muttley recebia uma medalha do seu dono, Dick Vigarista).Pronto! Aí vai ele ajudar o defensor da lei.
El Kabong: não falem para ninguém, mas esta é a identidade secreta de Pepe Legal. Assim como existe “Zorro, capa e espada”, existe também “El Cabong, de capa e violão”. Isso mesmo, seu violão é sua poderosa arma, capaz de desarmar qualquer vilão, apenas com uma paulada do instrumento musical na cabeça, seguido da palavra: – Kabongo…

Pepe Legal – caçador de bandidos,desenho animado






postado por editor em Kids,Nostalgia,Passatempo e possui Nenhum Comentário